• Pubblicazione del 15 Ottobre 2014 ore 19.00
  
  

Tutelar o futuro trabalhador é tarefa complexa

lavoro_schiavo_8-Agencia_Brasil

Na tutela dos direitos sociais dos trabalhadores que foram resgatados do trabalho escravo, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lança campanha para incentivar as empresas que se disponham a qualificar e a contratar essas. “Já começamos os contatos com os empresários”, informa José Eduardo de Resende Chaves Júnior, juiz auxiliar da Presidência do CNJ. "O objetivo é evitar que os trabalhadores voltem a ser vítimas dos exploradores do trabalho escravo".

A ação do CNJ deve dar prioridade aos locais onde o problema é mais frequente, como Maranhão, Pará e Mato Grosso. Nos últimos anos, a polícia, o Ministério do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho fizeram várias operações para libertar trabalhadores submetidos à condição análoga à escravidão.“Agora estamos percebendo um alto percentual de retorno dessas pessoas às mesmas condições de trabalho escravo”, explica o juiz Chaves Júnior. O problema, segundo ele, é que são pessoas sem qualificação profissional e sem oportunidade no mercado de trabalho. Como elas não têm condição de sobrevivência, voltam à escravidão.
O CNJ, por meio do Fórum de Assuntos Fundiários, quer formar parcerias com empresas que se responsabilizem pela formação e contratação dos trabalhadores, assegurando a eles os direitos constitucionais. O assunto já foi discutido com o Ministério do Trabalho e Emprego, Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e com a Organização Internacional do Trabalho.

(EF)

Italian Media s.r.l. - via del Babuino, 99, Roma, c.a.p. 00187, p.IVA 09099241003, edita il settimanale Italiani con registrazione al Tribunale di Roma n. 158/2013 del 25.06.2013 - email: info@italianmedia.eu