• Pubblicazione del 15 Ottobre 2014 ore 19.00
  
  

Rio de Janeiro e l'eredità di un artista salernitano

Rio de Janeiro e l'eredità di un artista salernitanoRio de Janeiro e o legado de um artista salernitano

de Eduardo Fiora  

Pintor, desenhista, professor, o italiano radicado no Brasil, Eliseu Visconti, deixou um importante legado na história da arte brasileira. De acordo com o site oficial do artista (http://www.eliseuvisconti.com.br), Eliseu Visconti “nasceu em 30 de julho de 1866, na Vila de Santa Catarina, Comuna de Giffoni Valle Piana, Província de Salerno, Itália".
Filho de Gabriel d’Angelo e de Christina Visconti, teria imigrado para o Brasil com um ano de idade, segundo Frederico Barata, seu principal biógrafo e autor do livro oficial do pintor 'Eliseu Visconti e Seu Tempo', de 1944. No entanto, informações posteriores, prestadas inclusive por seu filho, Tobias d'Ângelo Visconti, revelam que Visconti viajou para o Brasil já menino".

Uma carta de próprio punho, encaminhada por Eliseu Visconti em 26 de agosto de 1938 a Oswaldo Teixeira, à época Diretor do Museu Nacional de Belas Artes, constitui o único documento que faz menção ao ano em que Visconti imigrou. De seu texto, depreende-se que sua vinda para o Brasil teria ocorrido em 1873, aos sete anos de idade portanto.
Num trabalho de pesquisa sobre obra do artista, a pesquisadora Miriam Seraphin ressalta que "sua formação artística deu-se no Rio de Janeiro, a partir de 1883, no Liceu de Artes e Ofícios, e depois na Academia Imperial das Belas Artes, desde 1885. Por ocasião da Proclamação da República, naturalizou- se brasileiro e participou da reforma da Academia, que a transformou em Escola Nacional de Belas Artes (ENBA). Foi o vencedor do primeiro concurso com prêmio de viagem à Europa, promovido pela nova instituição. No seu período de aperfeiçoamento em Paris (1893-1900) estudou na École des Beaux-Arts, na Académie Julian, e na École Guérin, no curso de composição decorativa de Eugène Grasset.
Os nus femininos dominam a produção artística do jovem Visconti, principalmente durante esse período.Visconti em 1930 foto web site oficialNo entanto, após seu casamento, em janeiro de 1909, com a francesa Louise Palombe, a temática familiar será uma constante até o final de sua carreira. [Fig. 2] Trabalhou na França por pelo menos mais dois períodos (1904-07 e 1913-20), quando realizou as obras de decoração do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e pintou diversos aspectos dos jardins parisienses e de Saint Hubert, onde morou numa propriedade da família de sua esposa.
A Enciclopédia Itaú Cultural lembra que Visconti, de volta a Europa, realizou, entre 1913 e 1916 (Paris), a decoração do foyer do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e só se fixou definitivamente no Brasil em 1920. Segundo alguns estudiosos, é considerado um praticante do art nouveau e do desenho industrial e gráfico no Brasil, com obras em cerâmica, tecidos e luminárias.
O website do artista destaca que já na fase de maturidade artística (anos 20) ele inicia (1927) a pintura de “paisagens impressionistas de Teresópolis, cheias de atmosfera luminosa e transparente, de radiosa vibração tropical.
Como notou Mário Pedrosa: ‘... Sob a luz tropical ainda indomada de nossa pintura, Visconti é um conquistador da atmosfera. E aquela ciência da luz e do colorido que aprendeu em França vai servir-lhe agora para dominar o vapor atmosférico, sua grande contribuição à nossa pintura’. (Visconti diante das modernas gerações – Correio da Manhã – 1 de janeiro de 1950)”. O artista faleceu no Rio de Janeiro, em 1944.

Italian Media s.r.l. - via del Babuino, 99, Roma, c.a.p. 00187, p.IVA 09099241003, edita il settimanale Italiani con registrazione al Tribunale di Roma n. 158/2013 del 25.06.2013 - email: info@italianmedia.eu